FAQ

1) O que é Druidaria/Druidismo?

Druidaria (também chamada de Druidismo) é um caminho espiritual de origem céltica pagã, que renasceu no século XVIII e vêm ganhando espaço desde então. Seu foco principal é a busca pela Awen, a Inspiração que flui da Fonte; o deus que acende o fogo em nossas mentes.

É uma espiritualidade pagã, ou seja, presta reverência à Natureza Sagrada e busca a integração com esta. Nós druidistas nos consideramos como parte desta mesma natureza e não como seres separados dela, portanto buscamos defendê-la e respeitá-la sempre.

A druidaria é uma religião politeísta e/ou panteísta; acreditamos em vários deuses independentes que são manifestações teológicas de aspectos da natureza, das forças cósmicas, dos espíritos da terra e de valores como a coragem, honra, ciência, inspiração entre outros. Não acreditamos que esses deuses sejam reflexos de um mesmo deus único, mas que são indivíduos complexos em suas personalidades e que fazem parte de todo um conjunto universal.

O animismo é outra característica da Druidaria. Ou seja, em nossa espiritualidade acreditamos que todos os seres, sejam humanos, animais, vegetais ou mesmo minerais, rios, montanhas ou outros, possuem uma alma e por isso devem ser respeitados como irmãos. Não nos consideramos superiores a nenhum outro tipo de ser, pois nossos espíritos tem o mesmo valor o que nos coloca em igualdade de direitos e deveres com estes.

Na Druidaria outro ponto importante é o respeito aos nossos ancestrais, sejam de sangue (nossos pais, avós, bisavós, trisavós e tataravós, como também os tararavós destes), sejam aqueles que andaram por estas terras no passado ou sejam aqueles que viveram a Tradição dos Druidas antes de nós.
Honramos e respeitamos nossos ancestrais como fontes de sabedoria e conhecimento, sabendo que um dia nós seremos os ancestrais das gerações futuras.

2) Como posso ingressar na Clareira Druídica de Coré-Tyba?

Para ingressar é necessário ser maior de idade, ter frequentado as cerimônias da Clareira em Curitiba por um algumas cerimônias e ser aceito pelos demais membros. Existem três modalidades de filiação: acolhido, juramentado e iniciado. Para mais informações consulte o link Como Se Afiliar.

3) Se eu entrar para a Clareira Coré-Tyba, me tornarei um druida?

Não necessariamente. Os praticantes da Druidaria são chamados druidistas ou credimacos.
Para se tornar um druida da Clareira, antes é necessário passar por um extenso treinamento em diversas artes, ciências e ofícios, até tornar-se apto a portar este título.

4) Vocês acreditam em Deus?

Sim. Porém não acreditamos em uma divindade única, caso seja este o teor do questionamento.
Nossa fé é panteísta e politeísta, ou seja, cremos que existem diversos deuses de personalidades independentes e características próprias.
Além disso concebemos que estes deuses, assim como os demais seres, espíritos e paisagens fazem parte de um conjunto divino, chamado as vezes de A Fonte, de O Incriado ou por outros nomes. Porém a esta aglomeração divina não prestamos culto, pois entendemos que nós também somos parte disto, não cabendo aqui cultuá-la, e sim apenas respeitá-la e sentir orgulho de fazer parte.

5) Vocês acreditam em reencarnação?

Acreditamos em uma modalidade de reencarnação chamada metempsicose, ou seja, a possibilidade das almas voltarem a habitar corpos físicos, sejam eles humanos, animais, vegetais ou minerais, impulsionadas pelo seu desejo de viver novas experiências, adquirir mais conhecimento e ter a capacidade de enxergar o mundo por outros olhos.

“O ensinamento principal dos Druidas é que a alma não perece, mas, depois da morte, passa de um corpo para outro. Por causa desse ensinamento, de que a morte é somente uma transição, eles são capazes de encorajar o destemor nas batalhas.”
– Júlio César (“Comentários sobre a Guerra Gaulesa”)

6) Preciso deixar de frequentar minha religião para participar das cerimônias da Clareira?

Não exigimos que você deixe de lado teu caminho espiritual para andar ao nosso lado (como um credimaci), pois essa é, ao nosso ver, uma escolha somente sua.

Porém para seguir o caminho do Bardo, do Vate ou do Druida, é exigido dedicação total e por isso não faz sentido que o sacerdote professe outra fé.
Isso é normal e comum a qualquer religião; afinal um padre também não pode ser budista, assim como um cohen não pode ser xintoísta e um bramâne não pode ser muçulmano.

7) A druidaria tem um livro sagrado?

A Tradição dos Druidas é principalmente de cunho oral, sendo o conhecimento passado de mestre para discípulo diretamente em conversas, debates e explanações.

Acreditamos que o conhecimento escrito é estático como a rocha, mas que nossas experiências devem ser vivas, crescerem e se adaptarem como as árvores.

Se nossos ensinamentos fossem escritos em um livro sagrado, não teria a mutabilidade que nos permitiram nos adaptar aos novos tempos e provavelmente estaríamos tentando viver como os antigos viveram.

É por isso que o único livro que interessa realmente aos Druidas é o “Livro da Natureza”, a capacidade de enxergar as características do mundo ao nosso redor, seus ciclos, suas respostas e seus ensinamentos.

Isso contudo não quer dizer que não temos textos para estudos. Eles existem e são vários, como compilações de contos célticos escritos por monges, pesquisas arqueológicas, livros escritos por autores contemporâneos dos druidas clássicos entre outros. Nós apenas não os tratamos como textos sagrados e lhe legamos uma importância de segundo plano em comparação com a experiência cotidiana e a Inspiração.

8) Druidaria é o mesmo que Wicca?

Absolutamente não. Apesar de possuírem alguns pontos em comum, como o cunho pagão e a celebração de 8 festivais anuais, a cerne das duas espiritualidades é bastante distinta.

Wicca é uma religião surgida no início de século XX, fundada por Gerald Gardner, de caráter duoísta, mágico e com foco na Vontade. Já a druidaria é uma religião com origem na Antiguidade e que foi renascida no início do século XVIII, politeísta/panteísta, devocional e girando em torno da Inspiração.

Os pontos em comum entre elas provém principalmente do fato de Gardner ter sido membro de uma ordem druídica (AOD) antes da criação da Wicca e amigo pessoal de Ross Nichols (fundador da OBOD), sendo que este último influenciou muito os conceitos que seriam usados pelo primeiro em seu movimento espiritual.

No entanto, membros da Wicca e das demais espiritualidades são bem-vindos como convidados nas cerimônias de nossa Clareira, desde que venham com o espírito repleto de boas intensões e com o desejo de conosco honrar aos nossos deuses, nossos ancestrais e à Natureza Sagrada.

Anúncios